A um ano das eleições, cenário está polarizado - Blog da Rayssa Araújo | Notícias de Anapurus e Região

sábado, 4 de novembro de 2017

A um ano das eleições, cenário está polarizado

O Brasil decidirá, em menos de um ano, qual será nome do novo presidente da República. A eleição de 2018 para o Palácio do Planalto promete ser uma das mais acirradas e polarizadas da história do país. Desde a crise política que culminou no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o assunto tem tomado conta do debate público, fazendo com que possíveis candidaturas despontassem de forma precoce.
Nesta semana, o Ibope, um dos principais institutos de pesquisa do país, divulgou sua primeira pesquisa de intenção de voto para 2018. O cenário mostra uma liderança, com certa vantagem, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O petista teria 35% das intenções de voto contra 13% do segundo colocado, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC). Capitão da reserva do Exército, o político conservador nunca disputou um cargo ao executivo, mas tem demonstrado ter fôlego para a disputa presidencial. Atrás de Lula e Bolsonaro, estão a ex-senadora Marina Silva (Rede), com 8%, o governador paulista, Geraldo Alckmin (PSDB), e o apresentador de televisão Luciano Huck (sem partido), com 5%, e o prefeito paulistano, João Doria, com 4%. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) tem 3% das intenções de voto.
O cenário, porém, é visto com ressalvas por analistas. O cientista político Rócio Barreto acredita que o ex-presidente Lula não poderá se candidatar, sendo barrado pela Lei da Ficha Limpa. Neste ano, o petista foi condenado por corrupção pelo juiz Sergio Moro e pode ser barrado caso a pena seja confirmada em segunda instância.
“Ainda é muito cedo para a gente avaliar cenários com perspectivas que possam acontecer realmente. Se bem que a gente já viu uma queda da Marina, o Ciro Gomes estabilizado, uma especulação em relação ao nome do Doria, ao nome do Hadad. O Alckmin também ficou muito abaixo. Mas é possível que esse cenário não se mostre daqui a seis meses.”
Por conta da situação vivida por Lula, o cenário sem o ex-presidente no páreo também foi especulado pelo Ibope. Nesta hipótese a dianteira seria dividia entre Bolsonaro e Marina Silva, ambos com 15%. Mas o nome do militar da reserva volta a chamar atenção, pois Marina Silva conta com um recall de duas eleições presidenciais e, portanto, é mais conhecida pela população.
A força de Bolsonaro ficou mais evidente em outra pesquisa eleitoral também divulgada nesta semana. Segundo o Instituto DataPoder360, a disputa pelo Palácio do Planalto está empatada tecnicamente entre Lula e o deputado conservador. Lula pontua de 28% a 32%. Bolsonaro registra de 20% a 25%, dependendo do cenário.
Para o escritor e cientista político Bruno Garschagen, a atual polarização ideológica entre esquerda e direita, representada na disputa entre Lula e Bolsonaro será mantida.
“É um elemento interessante. Mostra que a dominação na política formal da esquerda sofreu um duro golpe e caso o Bolsonaro se confirme como um candidato viável, conseguindo ir para o seguindo turno, o dado estará claro. Haverá, de fato, um candidato representado à esquerda e um candidato representando à direita”.
De fora do mundo político, o apresentador de televisão, Luciano Huck ganhou espaço tanto na pesquisa Ibope, quanto na do Instituto DataPoder360. Nos últimos meses têm sido levantadas muitas especulações em torno do apresentador que, supostamente, teria a ambição de se candidatar ao Planalto.
De acordo com o Ibope, o apresentador já teria o apoio certo de 5% do eleitorado. Segundo o DataPoder360, hoje, Luciano Huck teria um potencial de possíveis eleitores de 40%. O apresentador de televisão tem uma taxa de rejeição de 43%.
Reportagem, João Paulo Machado

Nenhum comentário:

Postar um comentário