Para vencer uma eleição é preciso se articular com o povo - Blog da Rayssa Araújo | Notícias de Anapurus e Região

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Para vencer uma eleição é preciso se articular com o povo

Por: Blog da Rayssa Araújo.

Tenho muitas dúvidas se a grande massa de eleitores acompanha esses “mimimis” dos bastidores da política. O candidato que tem mais partidos aliados, quem tem a preferência das lideranças, etc e tal. O que vai contar mesmo é articulação feita diretamente com o “povão”. Primeiro que a política, não só em Anapurus mas em todo Brasil atravessa um momento de descrédito, segundo que o cidadão quer saber se quem vai ser prefeito (a) irá resolver os problemas básicos da sua rua, do seu bairro. Vejo muito político traçando estratégias mirabolantes, mas sem combinar com o principal personagem, o eleitor. Já vi em Anapurus candidatos com uma ruma de partidos e apoios notáveis fracassar na hora do voto na urna. A eleição passada foi um exemplo. Naquela ocasião, em 2012, a então candidata do (PRTB), tinha o apoio de vários partidos e dos principais nomes da política Maranhense. Mas perdeu para uma candidatura apoiada por um Exército com bastante jangado político. Portanto, os planos de bastidores têm que estar em sintonia com a vontade popular. É como dizia uma dessas marchinhas eleitorais: “Quando o povo quer não tem jeito”.


Embate na Cidade

Em Anapurus, na minha opinião, a equação da disputa é simples. Os eleitores vão avaliar o trabalho de Júlio César (PSDC) na prefeitura. Se querem a continuidade do (PRB) comando ou mudança. Se acreditam que alguém da oposição poderá ou não fazer melhor.

Questão de credibilidade

A oposição para vencer em Anapurus precisará passar credibilidade ao eleitor. Garantias que continuará pagando salários e terceirizados em dia. Que tem uma proposta de gestão para a manutenção das ruas e da limpeza. Precisa transmitir segurança para o bom funcionamento das escolas e creches municipais e dos postos de saúde.

Tendência de polarização

Na minha avaliação, seja quantos forem os candidatos, a tendência é de uma polarização entre Júlio César e Vanderly Monteles. A continuidade ou a mudança. Claro que qualquer eleição pode apresentar surpresa. Mas nesse momento, a disputa principal tende a ser essa.

Aliados poderosos

Fora a personalidade e propostas dos dois principais candidatos irá contar para Júlio o apoio da Prefeita Tina Monteles (PRB) e do Governador Flávio Dino. Para Vanderly (PSDB) vale o endosso do Vice governador Carlos Brandão e do Ex Governador João Castelo entre outros.

Complexidade de Cena

A maior surpresa dessa eleição tem sido as articulações para a escolha dos candidatos a Vice de Anapurus. Quem estava forte no jogo saiu, quem não tinha chance passou a ter. Uma confusão doida que só terá um final depois dos complexos resultados.

O ponto de desequilíbrio

A mudança começou com as desavenças entre ex Secretário de obras Júlio Neto e a então prefeita Tina Monteles. Com o secretário fora do jogo a prefeita em reunião com os seus, chegarem a um acordo e formarão a chapa favorita.

Nunca esteve morto

Júlio César pode ter defeitos ( como todos tem ), mas falta de habilidade de articulação política não é um deles. Esteve sempre junto no partido de Tina cooperando sempre para um Anapurus melhor, ele mesmo e todos já sabiam que não tirariam a sua candidatura da lista. Político a mais de anos, foi Vereador em Mata Roma e vai para a disputa com muitas  chances em Anapurus.

Muda mas não leva

A atitude da Oposição pressionar Júlio Neto (PTC) a mudar de lugar a continuar sendo oposicionista não muda nada. Digo mais, Ninguém apoia ninguém obrigado.

Questão óbvia

Tina Monteles reestruturou e presidiu o PRB em Anapurus. Portanto, tem influência significativa sobre a maioria dos filiados. Não será um comando vindo de cima que vai mudar aquilo que já estava planejado e em curso. Oficialmente esses partidos da oposição podem mudar de lado, mas na prática não de candidatura.

Ouro de tolo

Na realidade, Julio Neto (PTC) está entrando numa roubada. Todos sabem que o seu foco principal é se candidatar e ter seu nome no alto, para assim manter a honra de seu pai (Zé Bedeu). A aliança com o (PSDB) teve isso como principal propósito. Mas de que adianta o apoio oficial do partido, sem oportunidades de nada? Sem ser visto.

Qual o rumo?

Aliás, cabe a pergunta: O quê farão com ex Secretário Júlio Neto? Vão tirar simplesmente o rapaz da disputa? Servirá apenas como um simples eleitor? Ou será candidato a vereador? Façam as suas apostas, muita coisa pode mudar até dia 15 de agosto.

Quais as chances?

Pelo que me consta nos  municípios de Anapurus o PSDC tem candidaturas bem representativas, por enquanto, não são poucos. Não é muito para um partido que pretende entrar forte na disputa majoritária. Se no frigir dos ovos o (PSDB) não se eleger, sairá debilitado das eleições. Pior ainda, isolado do resto do povo para fazer alianças para o próximo pleito geral. A verdade é que o acordo com Júlio Neto restringiu o raio de atuação e não ampliou. Mas como a vontade soberana é do eleitor aguardemos para ver o resultado final.

Nenhum comentário:

Postar um comentário