1) Nós – todos os seres humanos – precisamos ser livres e capazes de nos expressar e de buscar, receber e transmitir informações e ideias, independentemente de fronteiras;
2) Nós não fazemos ameaças de violência, nem aceitamos intimidação violenta;
3) Nós não permitimos tabus contra e aproveitamos todas as oportunidades para a disseminação de conhecimento;
4) Nós exigimos meios de comunicação sem censura, diversos e confiáveis, de modo que possamos tomar decisões bem-informadas e participar plenamente da vida política;
5) Nós nos expressamos abertamente e com civilidade robusta sobre todos os tipos de diferença humana;
6) Nós respeitamos quem tem fé, mas não necessariamente o conteúdo de sua crença;
7) Nós devemos ser capazes de proteger nossa privacidade e de combater ataques à nossa reputação, mas não de impedir o escrutínio de interesse público;
8) Nós devemos ter o poder de desafiar todos os limites à liberdade de informação jusrificada em termos como a segurança nacional;
9) Nós defendemos a internet e outros sistemas de comunicação contra a apropriação ilegítima por interesses tanto públicos quanto privados;
10) Nós decidimos por nós mesmos e enfrentamos as consequências.
Alguns desses princípios são discutíveis, é verdade. Mas de que serve a liberdade, senão para a discussão?